“Operação Fronteira” traz seus personagens diante de um acerto de contas com o passado

A obra é dividida em dois blocos de uma hora. No primeiro bloco, somos apresentados aos membros da equipe, com destaque para o protagonista, Pope, e seu melhor amigo, Redfly. Pope funciona como o olhar dos personagens e do público para a situação, pois é quem organiza a missão e conhece o território onde ela ocorre, o agente serve como elo entre os colegas e aquele mundo tão distante da vida nos Estados Unidos. Já Redfly recebe um carinho especial do roteiro por ser o personagem com os problemas do dia-a-dia: má relação com a ex-esposa, dificuldades financeiras, filha adolescente distante… Se, para Pope, a missão tem, além do valor financeiro, uma motivação pessoal, que é livrar a região do traficante, para Redfly, é a chance de utilizar a grana para colocar sua vida de volta nos trilhos.

O restante dessa primeira parte engloba toda a missão, que começa e termina antes do fim da primeira hora do filme. O mais interessante vem depois da missão: a partir do ponto em que os agentes conseguem o dinheiro, o retorno para casa passa a ser um pesadelo. Não só a dificuldade de voltar para os Estados Unidos, mas o carregamento do dinheiro também se torna um fardo. Os personagens passam a entrar em conflito com a própria ganância, além de serem assombrados pelo passado violento que todos carregam.

Há poucas figuras antagonistas no filme. As que existem praticamente não são personificadas, pois o foco do roteiro é criar situações nas quais Pope, Redfly & Cia. se veem confrontados pelas próprias escolhas. No caso de William, por exemplo, é estabelecido que o personagem tem certo fascínio por contabilizar coisas (palestras, viagens etc), e essa mania do personagem é utilizada justamente para falar sobre seu histórico como soldado, que matou dezenas de pessoas e vive com o peso dessa violência. É interessante ainda que essa violência que está no passado e presente dos personagens ainda os assombre. O ponto alto do arco de um dos personagens, por exemplo, é resultado direto de monstros criados por ele e sua violência ao longo de “Operação Fronteira”.

Os personagens são confrontados não pelos inimigos, mas por suas bússolas morais

compartilhe

Extraido de “Operação Fronteira” traz seus personagens diante de um acerto de contas com o passado

Silvio Girotto

Amante de redes sociais, comunicadores instantãneos e de Marketing Digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *