Mãe internauta: o que a sua marca pode fazer por ela?

O hbito de fazer uma pesquisa na internet sobre determinado assunto faz parte da rotina de quase todas as pessoas do mundo. Para as mes, em especfico, ele se tornou muito mais do que um tira-dvidas e virou quase que um manual de ajuda: 75% das genitoras buscam informaes na internet sobre experincias reais que envolvam a maternidade e o volume de buscas aumenta 85% aps descobrirem que esto grvidas. A web se tornou uma aliada – quase uma segunda rede de apoio – essas mulheres. As lacunas para a comunicao das marcas, no entanto, ainda so grandes.

Quando buscam alguma informao a maioria das mes recorre ao Google (55,9%), seguido do Youtube (16,8%), Facebook (12,9%), Whatsapp (12,4%), Fruns & Blogs (12%) e Instagram (5,6%). Esse comportamento social abre margem para a atuao dos influenciadores, que com suas dicas e exemplos dirios acabam ganhando mais audincia dos pais em busca de solues. Trabalhar com blogueiros e youtubers pode ser uma das estratgias possveis para as marcas se aproximarem e se tornarem mais presentes na vida da consumidora.

O desafio, no entanto, acompanhar a trajetria da vida de uma criana e se tornar pertinente me internauta por um longo tempo. “Ser me uma jornada longa e que acontece todo dia. O aprendizado e questes surgem todos os dias. preciso entender esse comportamento materno para agir e trazer dados assertivos para ela”, conta Gustavo Casas, Market Insights Lead no Google, em entrevista ao Mundo do Marketing.

Engajamento
Os dois temas que mais so buscados pelas mes so a sade e educao. Isso porque as mes brasileiras tm como as maiores dificuldades a falta de recursos financeiro, tempo e estima. Ento elas no querem – e no se permitem – errar, principalmente porque a falha recairia sobre o filho. Como cuidar de criana totalmente diferente de cuidar de uma roupa, as marcas precisam ser delicadas e confiveis ao falar para esse pblico. As mes querem tirar dvidas sobre doenas, fases de crescimento e desenvolvimento infantil.

A quantidade de canais no Youtube que buscam resolver questes relacionadas sade imensa. Se uma marca, por sua vez, d o parecer dela a confiana se torna maior do que algum desconhecido. “Essa jornada da necessidade precisa ser melhor trabalhada pelas empresas. No algo pontual como fazer uma publicidade. O contedo precisa estar disponvel a todo momento, fazer parte de uma conversa e ser bem explicativo”, afirma Casas.

A construo desse relacionamento pode vir de eventos, canal prprio ou mesmo apoio a influenciadores que j costumam trabalhar com a cronologia da infncia. Canais como Macetes de Me e Flvia Calina so alguns exemplos dos que exploram desde o nascimento – algo que cativa e prende a audincia de mes em geral. Enquanto Shirley, do Macetes de Me, usa uma didtica mais terica e com cases, Flvia mostra a prtica no dia a dia da famlia em vlogs. “Geralmente as marcas buscam fazer vdeos com apelos mais tocantes, mas o exemplo e vivncia que as pessoas querem ver mes reais do mundo real”, conta Fabiana Kawahara, Head de Insights para Bens de Consumo no Google, em entrevista ao Mundo do Marketing.

Vida real
Esse fator emocional, muito explorado pelas marcas, no influencia mais na deciso de uma compra ou gera lembrana. Quando uma marca se conecta me brasileira, precisa entender as necessidades dela para ajudar ela a tomar as melhores decises para o seu dia a dia. Todos os dias surgem novos temas em fruns maternos – todos eles poderiam ser explorados de alguma forma pelas empresas”, pontua Fabiana.

Um dado relevante na pesquisa e que mostra que o trabalho com as mes precisa ser melhor trabalhado em relao lembrana – 47% no tm uma marca de produto ou servio na cabea. Isso se deve ainda a um formato de comunicao vazio, que trata de temas da maternidade como “flight”, ou seja, momentneos. Eles surgem em datas especficas como Dia das Mes, Dia das Crianas, Natal e Volta s Aulas.

Se ser me no tem perodo, o dilogo com elas tambm no deveria ter. “Ningum me por flight, me on-the-go. No d para esperar a melhor ocasio, preciso ser constante e real. No mostrar uma me rindo e feliz o tempo todo. sim assumir que a amamentao, por exemplo, difcil e a procurar ajudar nesse momento”, afirma Fabiana Kawahara.

Como fazer?
Os vdeos tutoriais so modelos que mais vem sendo procurados, isso porque eles trazem o formato do “como fazer”, que as consumidoras tanto desejam. Isso porque ele traz verses prticas que economizam tempo e trazem a certeza de que determinada soluo funciona. Na rea educacional, por exemplo, vdeos que ensinam exerccios para determinadas faixas etrias esto entre os mais consumidos por pais e filhos.

Na rea da sade, vdeos que ajudem no sono, por exemplo, esto entre os mais assistidos (ou ouvidos), porque trazem sons de rudos e ajudam a acalmar o beb. Do mesmo modo, a fase da introduo alimentar uma das mais questionadas e o uso de especialistas pode colaborar na comunicao das marcas.

Ignorar esses dados pode ser fatal para uma marca que busca dialogar com esse pblico. “As consumidoras querem ajuda e vo buscar aquelas marcas que daro o que elas querem. Essa uma oportunidade para as empresas enxergarem o potencial que esto deixando passar. Se a Flavia Calina retm o pblico porque ela constante e usa linguagem real, diferente do dilogo das marcas que ocorre pontual e muito publicitrio”, conclui Gustavo Casas.

Leia tambm: O que se fala sobre bebs nas redes sociais – contedo exclusivo para assinantes do Mundo do Marketing Inteligncia.

Fonte: by [author_name]

Silvio Girotto

Amante de redes sociais, comunicadores instantãneos e de Marketing Digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *